Mãos que ajudamMuitas pessoas estão simplesmente enganadas ou desinformadas sobre o que os Santos dos Últimos Dias (Mórmons) acreditam acerca de doutrinas a respeito de Jesus Cristo, da Bíblia, e de templos. Posso testemunhar que a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (inadvertidamente chamada por amigos de outras religiões, a “Igreja Mórmon”) acreditam em todos os ensinamentos que Jesus Cristo nos deu até agora, assim como seguir revelação contínua dada pelos apóstolos e profetas modernos. A Igreja ensina seus membros a amar e servir aos outros, e a guardar os mandamentos de Deus. Os Mórmons apoiam a Bíblia, bem como as escrituras adicionais inspiradas, tais como o Livro de Mórmon, que foi dado ao mundo por meio de revelação. Eu sei que a Igreja de Jesus Cristo é guiada por Jesus Cristo e está em harmonia com Ele e Seus ensinamentos. Eu sinto o Espírito Santo testemunhar isso a mim a medida que me empenho em guardar os mandamentos, sigo o profeta ordenado por Deus, e sirvo aos que me rodeiam.

Como resultado do mal entendidos e de muita discordância sobre o que os membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias acreditam sobre a Bíblia e outras doutrinas, D. Lauritsen, um professor Mórmon, aborda algumas das razões pelas quais alguns cristãos se opõem a Igreja (“mormonismo”) neste artigo abaixo:

Por que Algumas das Principais Correntes Cristãs se Opoem ao Mormonismo?

Breve resposta: Para algumas das principais correntes cristãs e seus ministros, A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias é vista como uma ameaça, mesmo diabólica, devido ao seu rápido crescimento, prosperidade, e da sua influência crescente. Outros cristãos esquivam-se dos santos dos últimos dias por causa da diferenças doutrinária –  diferenças que, após um exame mais detalhado revela que os Santos dos Últimos Dias (cristãos originais) estão em harmonia mais próxima do padrão e ensinamentos da Igreja antiga de Cristo do que estão as principais denominações cristãs de hoje.

Resposta detalhada: Entre as razões mais comumente indicadas pelos cristãos para se opor e denunciar A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias estão as falsas alegações de que (1) Os Mórmons adicionam a palavra de Deus, (2) Os Mórmons não acreditam na Bíblia; (3) Os Mórmons têm uma conduta bizarra, com rituais secretos em seus templos, e (4) os Mórmons são do diabo e estão levando milhões de pessoas para o inferno. Estas acusações públicas agora serão abordadas.

Primeira razão para se opor aos Mórmons: A Bíblia diz especificamente, em seu capítulo final, que “Se alguém lhes acrescentar alguma coisa, Deus fará vir sobre ele as pragas que estão escritas neste livro” (Apocalipse 22:18). Portanto, os cristãos ortodoxos dizem que os Mórmons são amaldiçoados, blasfemos, e anathematizados porque eles “acrescentaram a estas coisas” ao publicar o Livro de Mórmon e afirmar que é uma continuação da palavra de Deus.

Resposta: A maioria dos estudiosos da Bíblia concordam que o livro Apocalipse de João não foi o último dos 66 livros da Bíblia a ser escrito, e que não foi colocado no final da Bíblia até muito mais tarde, quando todos os livros da Bíblia foram reunidos na forma atual. Assim, enquanto João ameaça justamente uma praga em qualquer um que tentasse “acrescentar a estas coisas” (seus escritos), ele claramente não estava inferindo que seus escritos sinalizavam o fim da revelação de Deus aos seus filhos. Caso contrário, João teria negado ou derrubado as palavras de seu predecessor do Velho Testamento, Amós, que declarou solenemente: “Certamente o Senhor Deus não fará coisa alguma, sem ter revelado o seu segredo aos seus servos, os profetas” (Amós 3:7).

Os santos dos últimos dias atestam que estas palavras de Amós são tão verdadeiras hoje como eram quando ele lhes falou: Deus continua a revelar sua vontade aos seus profetas vivos e apóstolos. Pelo fato do cristianismo tradicional já não acreditar que Deus revela sua vontade aos profetas vivos, eles poem a sua total dependência na Bíblia. Porque do ponto de vista do Cristianismo tradicional a Biblia contém toda a palavra de Deus, passada, presente e futura. Em outras palavras, a corrente tradicional Cristã acredita que Deus não tem mais nada a dizer para seus filhos. Embora continuasse a falar com seus filhos judeus de uma geração a outra geração, através de um século a outro, através de um milênio a outro, Deus de alguma forma não precisava ou queria se comunicar com seus filhos em outras partes do velho mundo nem com seus filhos do mundo atual. Se este tipo de raciocínio é correto, então o que Deus disse a Moisés deveria ter sido suficiente, e não teria havido nenhuma necessidade para Ele ter falado com Samuel. De fato, alguns israelitas provavelmente disseram, “Temos todas as palavras do Senhor nos cinco livros de Moisés. Nós não precisamos do livro de Samuel. ”

Da mesma forma, algumas das pessoas do tempo de Esdras provavelmente disseram, “Nós temos os livros de Moisés e Samuel. Nós não precisamos das palavras de Esdras. “O mesmo poderia ser dito com o povo de Neemias, Isaías, Jeremias, Ezequiel, Daniel, Oséias, Joel, Amos, e assim por diante. Desta forma, os homens têm involuntariamente tentado silenciar Deus durante a sua própria época. Foi precisamente esta situação que o Senhor profetizou através de seu antigo profeta das Américas, Néfi, referindo-se aos últimos dias:

E porque minhas palavras hão de silvar adiante – muitos dos gentios dirão: Uma Bíblia! Uma Bíblia! Temos uma Bíblia e não pode haver mais nenhuma Bíblia…. Murmureis Portanto, por receberdes mais palavras minhas? Ou não sabeis que o depoimento de duas nações [antiga Israel e a antiga América] é um testemunho a vós que eu sou Deus, que eu lembro de uma nação como da outra? Portanto digo as mesmas palavras de uma nação até a outra…. E eu faço isso para que eu possa provar a muitos que Eu Sou o mesmo ontem, hoje e sempre, e que pronuncio Minhas palavras segundo Minha própria vontade. E porque que eu tenho falado uma palavra não deveis supor que eu não possa dizer outras; porque o meu trabalho ainda não está acabado; nem estará até o fim do homem, nem daquele tempo em diante e para sempre. Portanto, por que tendes uma Bíblia não deveis supor que ela contém todas as minhas palavras; nem deveis supor que eu não tenha enviado mais para ser escrito…. Pois eis que falarei aos judeus e eles escreverão; e também falarei aos nefitas e eles escreverão; e eu também falarei as outras tribos de Israel, que levei embora, e eles escreverão, e falarei a todas as nações da Terra e elas escreverão (2 Néfi 29:3, 8-12).

Segunda razão  para se opor aos Mórmons: Os Mórmons não acreditam na Bíblia ou ela é perfeita.

Resposta: Os santos dos últimos dias sempre acreditaram na Bíblia, com firmeza e fidelidade. No entanto, como afirmado na oitava Regra de fé: “Cremos que a Bíblia é a palavra de Deus, desde que esteja traduzida corretamente” (grifo nosso) (Regras de Fé 1:8). Um exemplo de má tradução grave é encontrada em Hebreus 06:01 “Por isso, pondo a parte os princípios elementares da doutrina de Cristo, prossigamos até a perfeição.” Do jeito esta sentença está , é claramente falsa e enganosa, pois ninguém pode “ir até a perfeição” por ” deixando os princípios elementares da doutrina de Cristo.” Estava Paulo, portanto, pregando falsa doutrina? Não, o escriba que recopiou ou traduziu a epístola de Paulo (ou o impressor do século XVII, que arrumou os tipos), obviamente, deixou de fora uma pequena, mas crucial palavra, não. A escritura deve sder lida: “Portanto, não deixando princípios elementares  da doutrina de Cristo, prossigamos até a perfeição.”
29:3, 8-12).

A respeito da morte de Judas, o Livro de Mateus diz: “E [Judas] jogou as moedas de prata no templo, e partiu, e foi e enforcou-se” (Mateus 27:5). No entanto, o Livro de Atos diz: “Ora, este homem adquiriu um campo com o preço da iniqüidade, e, precipitando-se, rompeu-se pelo meio, e todas as suas entranhas se derramaram”. (Atos 1:18). Essas passagens bíblicas estão em conflito óbvio. Em qual delas devemos acreditar?

E sobre a visão de Paulo na estrada de Damasco, Atos 9:7 diz: “E os homens que iam com ele pararam espantados ouvindo a voz, mas não vendo ninguém. “No entanto, treze capítulos mais tarde, lemos: “E os que estavam comigo viram a luz, e ficaram com medo, mas não ouviram a voz daquele que falava comigo “(Atos 22:09). Novamente, a Bíblia contém informações contraditórias. Em qual narrativa devemos acreditar? ainda, informações contraditórias não é a única imperfeição na Bíblia, a Bíblia não contém toda a palavra de Deus. A Bíblia – um compêndio de sessenta e seis livros de escrituras separadas –  cita mais de uma dúzia de livros de Escrituras que não são encontradas na Bíblia:

Livro dos convênios livro das Guerras do Senhor, Livro de Jasher, Livro dos Atos de Salomão, Livros de Natã e Gade, Profecia de Aías e Visões de Ido, Livro de Semaías, Livro de Jeú, Atos de Uzias, Livro dos Videntes, uma epístola anterior (perdida) de Paulo aos Coríntios, outra epístola (perdida) de Paulo aos Efésios, uma epístola de Paulo de Loadicea, (faltando) uma epístola anterior  de Judas Profecias de Enoque (Êxodo 24:7 ; Números 21:14; Josué 10:13; 1 Reis 11:41, 1 Crônicas 29:29; 2 Crônicas 9:29; 2 Crônicas 12:15; 2 Crônicas 20:34; 2 Crônicas 26:22; 2 Crônicas 33 :19, 1 Coríntios 5:09, Efésios 3:03, Colossenses 4:16; Judas 3; Judas 14).

Por citar alguns dos erros, contradições e livros perdidos da Bíblia, não é objeto degradar nem desacreditar a Bíblia, mas sim, a de salientar que os Cristãos que alegam que a Bíblia contém toda a palavra de Deus em perfeita forma inquestionável  e, portanto, contém a plenitude do evangelho – é tanto impreciso e enganoso. Não é uma blasfêmia, nem herética reconhecer este fato.

Terceira razão para se opor aos Mórmons: os Mórmons conduzem bizarros rituais secretos em seus templos.

Resposta: Esta alegação desgastada tem se mostrado totalmente falsa. A resposta detalhada está contida na resposta da pergunta 12.

Quarta rasão para se opor aos Mórmons: Os Mórmons são do diabo, e eles estão levando milhões de pessoas para o inferno.

Resposta: Interessante é que essa mesma acusação foi nivelada para Jesus, que andava fazendo o bem (Mateus 9:32-34; 11:18-19; 12:22-28). Mas por incrível que pareça, as acusações não vieram de pessoas comuns, elas vieram de estabelecimentos religiosos dominantes da época de Jesus, os fariseus (Mateus 12:24). Hoje, os santos dos últimos dias são conhecidos em todo o mundo por fazer o bem, não só entre si e suas próprias famílias, mas em estender a mão como socorristas com a ajuda de emergência maciça para vítimas de desastres naturais e do caos da guerra.

Em praticamente todas as nações, os Santos dos Últimos Dias são bem conhecidos por sua boa cidadania, patriotismo, realizações culturais, famílias fortes, e devoção a Jesus Cristo. Na verdade, a vida dos membros que sinceramente praticam os ensinamentos da Igreja refletem os frutos de sua religião de forma clara e inequívoca. Assim, hoje, quando estabelecimentos religiosos dominantes – correntes tradicionais do cristianismo – acusam os membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias de ser do diabo, o estabelecimento não foi capaz de atender as admoestações de Cristo: “Vós os conhecereis pelos seus frutos …. Uma árvore boa não pode dar frutos maus…. Portanto, pelos seus frutos os conhecereis “(Mateus 7:16-20), e” não julgueis, para que não sejais julgados. Pois com o critério que jugardes, sereis julgados; e com a medida com que tiverdes medido, vos medirão também.” (Mateus 7:1-7). Paulo ecoou as palavras do Salvador: “Portanto, és inescusável, ó homem, quando julgas, no que julgas a outrem, a ti mesmo te condenas ” (Romanos 2:1).

(Visited 291 times, 1 visits today)