O saber

Enquanto se preparava para um serviço sacramental em algum momento entre Agosto e Setembro de 1830,  Joseph Smith recebeu a seguinte revelação do Senhor: “Portanto, alegrai-vos e rejubilai-vos e cingi os lombos e tomai sobre vós toda a minha armadura, para que possais resistir no dia mau, havendo feito tudo, a fim de subsistirdes.” (Doutrina e Convênios 27:15)

O Senhor apresentou uma série de atributos espirituais e bênçãos associados a peças específicas de armadura:

  • 1)lombos com a verdade;
  • 2)peitoral de justiça;
  • 3)pés calçados com a preparação do evangelho de paz;
  • 4)escudo da fé;
  • 5)capacete da salvação e
  • 6)espada do meu Espírito.

Os leitores familiarizados com o Novo Testamento podem reconhecer imediatamente que Doutrina e Convênios 27: 15-18 faz referência significativa a Efésios 6: 13-17. O que alguns podem não notar, no entanto, é que o Livro de Mórmon também contém muitas referências dispersas à armadura espiritual. Enquanto alguns desses a primeira vista, parecem referir-se simplesmente a descrições militares de vestimenta de batalha comum, uma leitura cuidadosa mostra que, em vários casos, os nefitas escreveram e reconheceram uma interpretação simbólica mas também espiritual. Em alguns casos, o simbolismo espiritual é mesmo declarado explicitamente.

Armadura da Retidão

Em suas bênçãos patriarcais para seus filhos, Leí ensinou:

“Despertai, meus filhos, cingi a armadura da retidão”. (2 Néfi 1:23)

Este versículo indica que, desde o início, os profetas nefitas reconheceram o valor simbólico da armadura para proteção espiritual. É possível que Leí citasse vagamente Isaías 59:17, que certamente é uma fonte que Paulo também se baseou na composição de Efésios 6:14, 17.

Lombos cingidos com a verdade

Antes de apresentar o “estandarte da liberdade” ao seu povo, o capitão Morôni vestiu-se em trajes de batalha completos, que incluíam “cingir os lombos com sua armadura”(Alma 46:13).Os dois versos seguintes enfatizam que “os que pertenciam à igreja eram fiéis; sim, todos os que eram crentes verdadeiros em Cristo tomavam sobre si alegremente o nome de Cristo”. (Alma 46:14–15)

Depois que Morôni fez o seu discurso, esses verdadeiros seguidores de Cristo seguiram a liderança de Morôni e “eis que o povo se aproximou com os lombos cingidos por suas armaduras”. (Alma 46:21)

Couraça da justiça

O peitoral era uma das principais peças de armadura que protegia “as partes mais vitais do corpo” dos soldados Nefitas. (Alma 43:38)

Em uma batalha, Zeraemna, que era um líder, afirmou que a proeza militar dos nefitas era simplesmente devido à sua “astúcia” em preparar-se com “couraças e  escudos” (Alma 44: 9), que ninguém no exército de Zeraemna tinha (Alma 43:21).

Ironicamente, como o Mórmon deixou claro, Zeraemna tinha negligenciado algumas coisas. A vantagem mais importante dos nefitas foi devido ao fato de serem “inspirados por uma causa melhor” (Alma 43:45), pois o Capitão Morôni “enviou-lhes mensagens que lhes inspiraram o coração com estes pensamentos — sim, pensamentos sobre suas terras, sua liberdade, sim, sua libertação do cativeiro”(Alma 43:48). Como um peitoral, a justiça de seus corações provou ser a proteção mais vital contra seus inimigos.

Pés calçados com a preparação do evangelho da paz

Ao testemunhar diante do rei Noé e seus sacerdotes, Abinádi fez quatro referências sucessivas aos pés daqueles que “trazem boas novas” e “publicam a paz” (Mosias 15:15-18). Em várias outras histórias do Livro de Mórmon, um exército se renderia a outro, jogando suas armas aos pés de seu inimigo. Em um caso, os soldados inimigos “depuseram suas armas aos pés de Morôni e fizeram um convênio de paz” (Alma 44:15). Em outro, eles “atiraram-nas aos pés dos nefitas, suplicando misericórdia.” (Alma 55:23)

Essas histórias sugerem que os pés e a paz relacionavam ideias em contextos religiosos e militares.

Escudo de fé

Quando os nefitas totalmente blindados enfrentavam um exército muito maior do que os seus, eram os soldados inimigos que estavam “extremamente com medo” porque não estavam “armados com couraças nem escudos” (Alma 43:21). Assim, em pelo menos uma história do Livro de Mórmon, os escudos estão ligados à confiança ou à fé, enquanto aqueles sem escudos sentiram o medo oposto.

Espada do Espírito

No Livro de Mórmon, a espada é muitas vezes simbolicamente ligada à justiça divina de Deus. No entanto, em alguns casos também está ligada ao Espírito de Deus. Por exemplo, depois que Abinádi fez sua ação contra o rei Noé e seus sacerdotes, nós aprendemos que “o povo do rei Noé não se atreveu a deitar-lhe as mãos, porque o Espírito do Senhor estava sobre ele”. (Mosias 13:5).

Dois versos depois, declarou Abinadi, “Vedes que não tendes poder para matar-me, portanto, termino a minha mensagem”(Mosias 13:7). Em outro caso, aprendemos que a justiça e a verdade de Deus são consideradas duras “porque penetra-lhes até o âmago” (1 Néfi 16: 2)

Podemos ter certeza de que é o Espírito que facilita esse corte de espada no coração porque Néfi já havia ensinado que “quando um homem fala pelo poder do Espírito Santo, o poder do Espírito Santo leva as suas palavras ao coração dos filhos dos homens” ( 2 Néfi 33:1).

Em uma luz mais positiva, quando uma “voz mansa” do céu foi ouvida entre as pessoas em 3 Néfi 11: 3, “penetrou-lhes na própria alma e fez-lhes arder o coração” ( 3 Néfi 11:3). Ao comunicar a justiça, a verdade ou a paz de Deus, o Espírito Santo tem o poder de cortar ou perfurar os corações dos homens como uma espada.

O Porquê

Essas conexões demonstram que os temas de armadura de Deus não estão ausentes do Livro de Mórmon. Em vez disso, o valor simbólico da armadura pode ser visto em várias passagens e, em alguns casos, os atributos espirituais associados a peças específicas de armadura são semelhantes aos desenvolvidos na antiga guerra israelita, bem como em Efésios 6 e Doutrina e Convênios 27. O que torna as referências do Livro de Mórmon a uma armadura tão poderosa é que não são apenas detalhes ocasionais inseridos nas narrativas de combate. Em vez disso, o uso de vários tipos de armaduras, e a sua falta, foi muitas vezes um fator importante para decidir o resultado de conflitos militares.

Por exemplo, aprendemos que o exército de Zeraemna “caiu muito rápido” porque “eis que com a pele nua e a cabeça desprotegida, ficaram expostos às afiadas espadas dos nefitas” (Alma 44:18)

Em contraste, os nefitas apenas “de vez em quando” perderam um soldado porque “suas couraças e seus escudos e seus capacetes” protegiam as “partes mais vitais do corpo” (Alma 43:38). As diferenças na vestimenta de batalha nefita e lamanita ajudam a entender exatamente como é importante a física – e, por analogia, a armadura espiritual realmente é. Depois de revisar cada peça da armadura espiritual de Deus, o Élder Robert D. Hales exclamou: “Precisamos dessa armadura!”

O Élder Joseph B. Wirthlin advertiu que Lucifer “procura encontrar qualquer fenda na armadura de cada pessoa. Ele conhece nossas fraquezas e sabe como explorá-las se permitimos que ele faça isso”. Em resposta a essa ameaça, podemos seguir o exemplo do capitão Morôni, preparando-nos com as armaduras espirituais. O Élder N. Eldon Tanner ensinou: “Examine sua armadura. Existe um lugar não protegido ou desprotegido? Determine agora para adicionar proteção a qualquer parte que esteja faltando”.

Como a mortalidade é um campo de batalha espiritual constante, a necessidade de armadura espiritual está sempre presente. Para aqueles que fizeram convênios no templo sagrado, o Élder Russell M. Nelson ensinou: “Usar os garments do templo tem um profundo significado simbólico. Assim como o Salvador exemplificou a necessidade de perseverar até o fim, usamos a roupa fielmente como parte da armadura duradoura de Deus”. Aqueles que vestiram toda a armadura de Deus e nunca a tiraram, como o Rei Mosias, alcance o final de suas vidas tendo “combatido um bom combate, andado retamente diante de Deus”. (Alma 1:1)

Fonte: LDSMag 

Traduzido por Inaê Leandro.

(Visited 329 times, 1 visits today)