“Meu Pai Celeste, estás mesmo aí, ouves e atendes da criança a oração”?

Um dia, uma jovem mãe segurava a mão de sua filha de um ano de idade, ajudando-a a aproveitar a novidade de estar ereto e móvel. Eles chegaram a um conjunto de escadas. A garotinha olhou para a mãe perplexa. A mãe disse para si mesma: “Agora seria um bom momento para ensinar essa doce menina a subir e descer escadas”.

Ela decidiu que a melhor maneira de ensiná-la era mostrá-la. Ela se ajoelhou e colocou o rosto bem ao lado da de sua filha para que elas pudessem se ver olho no olho. A mãe então mostrou a filha onde colocar suas mãos e joelhos enquanto elas praticavam lado a lado subindo e descendo as escadas. A mãe e a filha celebravam cada vez que chegavam ao topo das escadas.

controle de natalidade

Um relacionamento com Deus

Há muitos passos que nossos filhos precisam aprender para retornar ao Pai Celestial. O primeiro de muitos passos é ensiná-los que existe um Deus. Ele é um Pai Celestial amoroso que está ansioso para ter um relacionamento pessoal e íntimo com eles. A oração é a chave para este relacionamento ao longo da vida. Abre uma linha espiritual de comunicação que é essencial, reconfortante e eterna.

“A oração é um presente de Deus”, disse a irmã Carol F. McConkie, ex-membro da presidência geral das Moças, durante a Conferência Geral de Outubro de 2016. “Nunca precisamos nos sentir perdidos ou sozinhos para realizar nosso trabalho, lutar nossas batalhas, enfrentar adversidades ou perguntas não respondidas. Cada momento de oração preciosa pode ser o tempo sagrado gasto com nosso Pai, em nome do Filho, pelo poder do Espírito Santo.”

As crianças aprendem com o exemplo

No livro de Enos, aprendemos muito sobre a oração. Enos começa sua história nos contando o quanto ele admirava e aprendia com seu pai, Jacó. Ele diz:

“Eis que aconteceu que eu, Enos, sabia que meu pai era um homem justo — pois instruiu-me em seu idioma e também nos preceitos e na admoestação do Senhor — e bendito seja o nome de meu Deus por isso.” (Enos 1:1)

Como Enos “lutou” diante de Deus e sua alma começou a ter “fome” – ele sabia a partir do exemplo de seu pai que a solução era “ajoelhar-se diante do seu Criador, e clamar a Ele em poderosa oração e súplica” (Enos 1: 1-4 ).

As crianças estão constantemente observando como lidamos com nossas vidas. Se eles nos virem de joelhos para receber ajuda celestial, talvez, como Enos, seu primeiro instinto seja ficar de joelhos. A irmã Joy D. Jones aconselhou em seu discurso na Conferência Geral de Abril de 2017: “Irmãos e irmãs, mantenham seus filhinhos próximos de vocês — tão próximos que eles vejam sua conduta religiosa diária e observem vocês cumprindo suas promessas e seus convênios. As crianças são grandes imitadoras, por isso dê-lhes algo grandioso para imitarem.Estamos realmente ajudando a ensinar e a criar uma geração resistente ao pecado para o Senhor, de promessa em promessa, de convênio em convênio.”

Os quatro passos da oração

Ao ajudar as crianças a compreender e incorporar os quatro passos básicos da oração, suas orações serão mais significativas:

  1.    Nosso Pai Celestial

A oração é uma proximidade pessoal e espiritual, onde obtemos acesso a Deus, o Pai de nossos espíritos. Ele nos ama e conhece as nossas necessidades. O Presidente Henry B. Eyring ensinou em uma mensagem da Primeira Presidência na revista Ensign em Setembro de 2015: “Nossos filhos serão abençoados para saber cedo e nunca esquecer que um Deus amoroso é tão próximo quanto uma oração”.

  1.       Nós te agradecemos

Em Alma 34:38, Amuleque aconselha-nos a que “vivais rendendo graças diariamente pelas muitas misericórdias e bênçãos que ele vos concede.” É importante que as crianças sejam gratas e reconheçam o quanto o Pai Celestial as abençoou – mesmo quando não é o que eles pediram especificamente. Um pai teve que explicar esse conceito para seu filho, Charlie de 4 anos, quando ele orou: “Obrigado, Pai Celestial, pelo irmãozinho, mas o que eu realmente pedi foi um cachorrinho”.

  1. Nós te pedimos

A oração é um tempo para derramar toda a sua alma para Deus. É um momento para implorar compreensão, conforto e força em seu nome e em nome daqueles a quem você ama e se importa.

O Élder James E. Talmage descreveu eloquentemente como saber por que orar quando escreveu: “A oração é constituída de pulsações de coração e de anseios justos da alma, de súplica baseada na consciência da necessidade, de contrição e desejo puro.”(Jesus, o Cristo Capítulo 17).

  1. Em nome de Jesus Cristo. Amém.

Oramos em nome de Jesus Cristo porque Ele “é o advogado junto ao Pai, que está defendendo sua causa diante Dele”. Como o Presidente Russell M. Nelson disse em seu discurso na conferência geral de abril de 2018, Ele é “nosso Exemplar e nosso Redentor.”

Ao abordar um Deus amoroso, devemos encorajar as crianças a usar uma linguagem que mostre respeito, amor e reverência por Ele. Os pronomes das escrituras – como Ti, Tu e Teu em vez de você e seu – são uma forma de expressar nosso desejo de ter um relacionamento respeitoso e reverente com nosso Pai Celestial.

Em resumo, a oração nos ajudará a ascender ao Pai Celestial e também nos ajudará a ter um relacionamento íntimo e pessoal com Ele. Através da oração Ele nos guiará. Ele vai nos inspirar. Ele responderá às nossas perguntas e aos “anseios de nossos corações” (“Revelação para a Igreja, Revelação para nossas vidas”, Presidente Russell M. Nelson, conferência geral de abril de 2018).

Fonte: LDSChurchNews

Relacionado:

Como Manter a Inocência dos Filhos em um Mundo Moralmente Tóxico