Para aqueles que são vítimas de abuso sexual:

“Há esperança”.

Essa foi a mensagem de Benjamin M. Ogles, professor na Universidade Brigham Young, durante um devocional no campus, no dia 30 de janeiro.

Dirigindo-se aos perpetradores, vítimas e entes queridos daqueles que sofreram agressão sexual, Ogles explicou a importância do arbítrio, da prestação de contas e da expiação de Jesus Cristo em relação a este sensível tema.

“Somente unindo nossas vozes e ações para ajudar as vítimas e promover o respeito pelos outros podemos ajudar a acabar com a violência sexual”, disse ele.

Reconhecendo que em 2017, muitas histórias foram publicadas sobre assédio sexual e abuso, Ogles falou sobre a crescente exposição do problema. Enquanto as manchetes incluíam os nomes de celebridades, políticos e executivos corporativos entre os acusados, muitas pessoas se juntaram a campanhas de redes sociais – como a campanha #MeToo – para ter uma voz no problema crescente e às vezes controverso.

O irmão Ogles, que atua como consultor no Conselho de Resposta a Agressão Sexual na BYU e é reitor do Departamento de Família, Ciências Domésticas e Sociais, explicou como ele viu em primeira mão, durante seu tempo de serviço, o peso do problema da agressão sexual.

“Este conselho se concentrou em examinar a resposta da universidade a incidentes de má conduta sexual”, disse Ogles. “Nossa responsabilidade era determinar como lidar melhor com o processo de denúncia de vítimas de agressão sexual”.

Pesquisa sobre abuso sexual

Para reunir informações, foi criado um site onde mais de 3.100 pessoas apresentaram um feedback.

“Embora levasse muitas horas, lemos todas as respostas, algumas das quais descreviam experiências pessoais e dolorosas”, afirmou. “Nosso trabalho resultou em 23 recomendações, todas as quais foram ou estão sendo implementadas na BYU, incluindo o desenvolvimento de uma política de amnistia, a mudança de uma estrutura organizacional, a criação de um cargo de advogado da vítima e a realização de uma pesquisa entre os estudantes da BYU sobre agressão sexual”.

Um segundo comitê no qual Ogles fazia parte conversou com cada estudante de tempo integral do semestre de inverno de 2017. “Mais uma vez, ouvimos relatos de experiências dolorosas e angustiantes dos estudantes da BYU vítimas de abuso sexual”, disse ele.

Como presidente de estaca, psicólogo e professor ele analisou dezenas de teses e dissertações de estudantes de pós-graduação pesquisando agressão sexual. Ogles disse ter tido muitos encontros com o problema.

“Mesmo com esta experiência, o serviço que prestei nesses comitês tornou-me ainda mais consciente do sofrimento associado à agressão sexual”, afirmou. “O que acrescentou à minha tristeza foi o fato de que aqui na BYU, apesar de termos padrões elevados para a nossa conduta, existem indivíduos que perpetram e sofrem contato sexual indesejável. Isso foi desencorajador “.

O abuso sexual é um assunto difícil, altamente carregado, às vezes se torna político e não é facilmente discutido, explicou.

“Eu me senti ansioso e às vezes sobrecarregado quando preparei esse discurso”, ele disse: “Não fui voluntário para participar do conselho consultivo e certamente nunca imaginei que eu daria um devocional focado nas doutrinas evangélicas associadas ao abuso sexual. No entanto, minhas experiências me levaram a esse momento em que sinto uma urgência em abordar este tópico delicado “.

Resgatar

Compartilhando importantes fundamentos doutrinários com o arbítrio, prestação de contas, a expiação de Jesus Cristo e poderes de criação que acompanham a intimidade sexual, Ogles falou sobre como essas doutrinas são essenciais para a aprendizagem e crescimento em nosso caminho para se tornar como Deus.

Esses fundamentos são essenciais, e com eles vem conseqüências positivas e negativas. Enquanto algumas conseqüências provêm de uma pessoa que usa seu arbítrio, outras conseqüências são resultado do arbítrio de outra pessoa.

“Infelizmente, as pessoas que nos rodeiam, mesmo as mais próximas de nós, como a nossa família, namorados(as) e amigos(as), às vezes usam seu arbítrio para agir de maneira que nos prejudique”, disse ele. “Embora nosso Pai Celestial reconhece e se preocupa com o mal e a dor que experimentamos neste mundo nas mãos dos outros, ele não removerá o arbítrio dessas pessoas porque isso violaria os limites que nos permitem progredir”.

No contexto desses fundamentos doutrinários do evangelho, Ogles falou dos perpetradores, vítimas e outros associados ao abuso sexual.

Agressores

Enquanto alguns erroneamente acreditam que o abuso sexual ocorre apenas com estranhos que de repente decidem agredir vítimas desconhecidas, os dados do pequisa no campus da BYU refletem o que é visto nos dados nacionais: que um namorado ou namorada atual ou anterior é responsável por mais da metade dos incidentes.

Dos 12.602 alunos que completaram a pesquisa, 475 relataram 730 incidentes de contato sexual indesejável. Dos eventos relatados, 37% foram agredidos por um conhecido, amigo ou ex-amigo. Apenas seis por cento foram agredidos por um estranho.

“Essas descobertas sugerem que alguns homens, e eu digo homens porque os dados indicam claramente que homens são muito mais propensos a ser o agressor do que as mulheres, interpretam erroneamente a natureza do consentimento em um relacionamento, interpretam erroneamente os desejos de suas parceiras ou entendem seus desejos e diretamente os ignoram enquanto forçam sua própria vontade a uma parceira “, disse ele.

“A dor de ser violada fisicamente é muito pior do que o breve momento constrangedor em que alguém diz que gostaria de ser mais fisicamente íntimo”.

Para os santos dos últimos dias, a relação sexual é sagrada e apenas sancionada por Deus dentro do casamento “onde os cônjuges se entregam de forma emocional e física”.

Mas o consentimento ainda é vital após o casamento.

“O casamento em si não é consentimento para a intimidade”, disse ele. “Os cônjuges têm a mesma obrigação de respeitar o arbítrio e o espaço físico e pessoal uns dos outros como em qualquer outro relacionamento”.

Ogles disse que seu estudo de agressão sexual mudou suas idéias e comportamentos sobre o espaço pessoal e o respeito pelo arbítrio de outros. Compartilhando uma experiência que ele teve ao brincar com seus netos, Ogles contou sobre como ele muitas vezes os perseguiria e fazia cócegas. Embora a brincadeira fosse para se divertir, ele percebeu que continuar a fazer cócegas ignorando os protestos de seus netos, era potencialmente problemático.

“Embora fosse uma brincadeira inocente, talvez não fosse bom que eu continuasse a fazer cócegas, apesar de suas objeções”, disse ele. “Eu me perguntei: ‘O que eu estou ensinando sobre o arbítrio, sua voz e seu espaço pessoal? Essas experiências de aprendizado inicial influenciam suas percepções sobre o que é e não está correto em relacionamentos futuros?”

Independentemente da intenção, todos serão responsabilizados por suas ações.

“Aqueles que violam o arbítrio de outra pessoa através da força, coerção, ignorando ou tentando adivinhar de forma displicente os desejos do parceiro em relação ao contato sexual serão responsáveis ​​por suas ações. … Se você cometeu este pecado, eu encorajo você a ver o seu bispo, a se arrepender, a cooperar com as autoridades legais quando necessário e a procurar ajuda profissional. A seriedade de seus atos pode exigir que você enfrente a disciplina civil e da Igreja. Mas o arrependimento completo trará o doce alívio do perdão, a paz da consciência e uma vida renovada “.

Vítimas

Dos estudantes da BYU entrevistados, 6,5% das estudantes do sexo feminino e 1,2% dos estudantes do sexo masculino foram vítimas de agressão sexual na BYU nos 12 meses anteriores à pesquisa.

“Esses filhos de Deus experimentaram violações íntimas e pessoais às quais eles não consentiram”, disse ele.

Além disso, a pesquisa descobriu que 1.692 estudantes – 21 por cento das mulheres pesquisadas e seis por cento dos homens pesquisados ​​- sofreram agressão sexual ou abuso durante sua infância ou adolescência antes de estudar na BYU.

“Para aqueles que tiveram experiências traumáticas, saibam que há pessoas, muitas pessoas, que estão preocupadas com seu bem-estar e muitas pessoas  que passaram pelo que você passou”, disse ele. “Você não está sozinho(a). Nós sabemos que você foi injustamente prejudicado(a) e você talvez continue a ter pensamentos e sentimentos negativos “.

Cristo sente nossas dores

Mencionando que frequentemente a visão da vítima de sua segurança pessoal, o mundo e as pessoas a sua volta muda, Ogles reconhece que muitas vezes as vítimas se sentem assustadas, danificadas, indignas, envergonhadas ou desamparadas.

“Alguns de vocês já estão no caminho da recuperação e começam a entender que você não é responsável por alguém ter violado seu arbítrio – você não está danificado ou vale menos por causa do incidente”, disse ele. “Vocês são filhos de Deus e Ele está pronto para ajudá-lo. … Sua cura pode ocorrer com ou sem ajuda profissional de acordo com suas circunstâncias. No entanto, sabemos que a estrada que você viaja agora é muitas vezes preenchida com sofrimento e dúvida e estamos prontos para ajudar “.

Dirigindo-se àqueles que se culpam ou assumem a responsabilidade pelo abuso, Ogles lembrou:

Você não é responsável por aquilo que você não consentiu! Essa é a essência do arbítrio”.

“Quando o arbítrio de uma pessoa e a capacidade de determinar o que acontece com seu próprio corpo são desconsideradas, a vítima pode responder automaticamente à situação com sentimentos de culpa ou vergonha, porque eles podem imaginar formas que eles pensam que “poderiam ter “ou” deveria ter “evitado a situação “, disse ele. “Depois de um abuso, uma vítima pode tentar restabelecer um senso de controle e ordem na vida ao tentar assumir uma parte da culpa pelo que aconteceu”.

Às vezes, amigos e parentes podem pensar que a vítima fez algo para contribuir com a situação, algo que Ogles chamou de “culpar a vítima”.

“Deixe-me ser muito claro sobre a responsabilidade pelo abuso sexual”, disse Ogles. “O perpetrador é responsável por suas ações. Uma vítima foi privada de seu arbítrio e ela não é responsável ​​pelo que aconteceu com ela sem o seu consentimento – não importa o que ela estavam usando, onde ela estavam, ou o que aconteceu de antemão. Elas não permitiram, sancionaram ou incentivaram o abuso”.

Para aqueles que são vítimas, “Há esperança! Há cura!”, ensinou Ogles. A cura vem através do poder da Expiação de Jesus Cristo.

Como ajudar os entes queridos que sofreram abusos

Para aqueles que não foram agressores ou vítimas de agressão sexual e que estão procurando maneiras de ajudar amigos e parentes, Ogles sugeriu ser um “exemplo dos crentes” vivendo uma vida de bondade e compaixão.

“Se um amigo ou parente lhe disser que eles foram vítimas de agressão sexual ou abuso sexual, e nossos dados sugerem que eles são mais propensos a dizer a um amigo ou colega de quarto, diga-lhes que você acredita, expresse sua preocupação com eles e incentive-os a procurar ajuda profissional“.

Ogles lembrou aos alunos da BYU os recursos confidenciais – aconselhamento, suporte jurídico para vítimas e avaliações médicas – disponíveis no campus.

“É minha oração que as doutrinas e os princípios do evangelho lancem luz neste tema difícil, de modo a trazer esperança ao invés de desânimo”.

Fonte: DeseretNews

Relacionado:

Liderança das Mulheres entrega doação para a luta contra o abuso infantil