A nova obra “Santos“, que conta a história da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias é uma poderosa ferramenta contra as críticas e distorções sobre a História da Igreja, que frequentemente se espalham na internet como ervas daninhas.

O livro, que já tem seu primeiro volume publicado integralmente em diversos idiomas – e disponível de forma gratuita na internet – é um valioso recurso para todos os membros da Igreja e pesquisadores sinceros.

O livro aborda aspectos da história da Igreja que foram pouco conhecidos ou incompreendidos. Inclui detalhes e contexto em que são importantes para tópicos de compreensão como a violência no Missouri e em Illinois, o casamento plural no início da Igreja, a Sociedade de Segurança de Kirtland e muitos mais.

Esses assuntos não foram ocultados pela Igreja. De fato, a Igreja sempre se esforçou para fazer conhecida sua História, até para combater as mentiras. O que acontece é que conhecemos muito mais hoje do que no passado – e temos acesso a muitos documentos, que antes não tínhamos. O avanço da comunicação digital também possibilitou que as informações fossem mais longe.

Neste último domingo, o Élder Quentin L. Cook, do Quórum dos Doze Apóstolos, e dois historiadores da Igreja, estiveram reunidos com vários jovens adultos do mundo inteiro para um evento “Cara a Cara”, que abordou o novo livro “Santos” e questões históricas. Veja como foi o evento aqui.

Durante o evento várias perguntas importantes foram respondidas, inclusive sobre a poligamia de Joseph Smith, a importância das mulheres e a participação de pessoas de outras nações na Restauração. Entretanto, os apresentadores lembraram que as as indagações podem ser melhor compreendidas com a leitura do livro “Santos”.

O poder do livro se demonstra em dois baluartes: linguagem e exatidão.

Linguagem.

O Élder Steven E. Snow, Setenta autoridade geral e historiador e registrador da Igreja, disse:

“Diferente de outras histórias da Igreja, esse é um relato em narrativa redigido num estilo envolvente que será acessível a jovens e adultos.

(…) A série Santos tem um formato, um estilo e um público-alvo bem diferentes daqueles das duas coletâneas de histórias da Igreja publicadas no passado. A primeira história começou com Joseph Smith na década de 1830 e foi publicada a partir de 1842.2 A segunda foi publicada em 1930 pelo historiador assistente da Igreja, B. H. Roberts.3 O alcance mundial do evangelho restaurado desde aquela época e o mandamento do Senhor de continuamente escrever a história “para o bem da igreja e para as gerações vindouras” (D&C 69:8) mostram que é hora de incluir mais santos dos últimos dias na história.”

Ou seja, a linguagem envolvente, não acadêmica, e simples utilizada na obra vai ajudar um maior número de pessoas a entender a História da Igreja e reconhecer quando mentiras são espalhadas.

Exatidão.

O Élder Snow também disse:

“Santos (…) não é ficção histórica. É uma história real com base nos registros de pessoas do passado. Cada detalhe e cada linha de diálogo tem fontes históricas como suporte. Notas ao final de cada capítulo se referem aos registros e às fontes adicionais. Quem desejar ler os registros, entender melhor os tópicos relacionados e descobrir mais histórias, encontrará links nas páginas finais dos livros e online em santos.LDS.org.A valiosa história da Restauração”

Assim, “Santos” é um relato verdadeiro, que trata de pessoas reais em situações verdadeiras. A exatidão do que é narrado é corroborado por dezena de milhares de referências a documentos e livros. E rande parte deste material está disponível online para consulta.

Os “Tópicos do Evangelho” e as “Revelações em Contexto” também contém ótimos artigos para serem consultados, e que dão maior entendimento sobre os aspectos históricos.

Assim, essas ferramentas são uma fonte valiosa para combater mentiras e meias-verdades espalhadas propositalmente para confundir e denegrir.

Leia “Santos” aqui,

Leia mais sobre “Santos”:

3 Razões para ler o livro “Santos” – nova obra sobre a História da Igreja