Nem mesmo uma semana após o lançamento do currículo “Vem, e segue-me”, em 2013 para os jovens da Igreja, o falecido Élder Robert D. Hales, do Quórum dos Doze Apóstolos, fez a seguinte pergunta: “Quando vamos fazer o mesmo para os adultos da Igreja?

Agora temos a resposta para a pergunta do Élder Hales.

“Temos trabalhado para tentar descobrir o que devemos fazer para os adultos da Igreja”, disse Brian J. Hansbrow, desenvolvedor de currículo da Igreja.

A Igreja anunciou que a partir de 2019, a série “Vem, e segue-me” estará disponível para a Escola Dominical, Primária, e o lar.

Embora muitos dos mesmos princípios usados ​​no currículo de jovens “Vem, e segue-me” sejam aplicados no novo currículo para adultos, um dos principais componentes mudou.

Em vez de se concentrar apenas nas lições a serem ensinadas na Igreja, o novo currículo enfatiza o estudo no lar.

“Os programas da Igreja são centralizados no lar”, disse Mike Magelby, diretor de currículo da Igreja. “Seu estudo começa em casa. Você entenderá a doutrina e aprenderá as coisas usando o manual do lar.”

Uma das principais idéias para o novo currículo veio do Manual 2: 1.4, que diz:

“Deus revelou um padrão de progresso espiritual para as pessoas e famílias por meio de ordenanças, ensino, programas e atividades centralizados no lar e apoiados pela Igreja.”

Em vez de se concentrar apenas nas aulas semanais de reuniões da Igreja, grande parte do aprendizado deve ser feito em casa, para que o aprendizado da Igreja se torne um apoio em vez da fonte primária de aprendizado do evangelho.

“A conversão é o objetivo final e sabemos que o Espírito leva à conversão”, disse Hansbrow. “O modelo de currículo anterior… trabalhou sob a suposição de que melhores  experiências na Igreja levavam a uma porção maior do Espírito e consequentemente, uma conversão mais profunda. Para ter melhores experiências na Igreja, tínhamos que ter que ter professores melhores.”

Os redatores do currículo perceberam que é possível ter muito mais aprendizado do evangelho durante a semana, do que as poucas horas de reuniões da Igreja. Por causa disso, eles sentiram a necessidade de centralizar o aprendizado em casa.

“(Pesquisas) descobriram que o estudo das escrituras no lar e devo religiosa pessoal tiveram um impacto maior na conversão do que qualquer outra método. Curiosamente, a pesquisa confirmou que a devoção religiosa familiar era a maior causa de devoção religiosa individual. Sentimos que essa era uma ideia realmente importante ”

“E assim surgiu nosso novo modelo de currículo, que ainda tem a conversão como meta … e o Espírito é o que aprofunda a conversão”, disse Hansbrow. “Nós adicionamos a adoração individual como o próximo ingrediente nessa equação.”

Depois de testar o currículo em sete países e 35 estacas ao longo de quatro anos, a equipe disse que os resultados foram consideráveis.

“A beleza do que aconteceu nesses testes é que as pessoas que nós entrevistamos não falavam muito sobre o manual, elas falavam sobre as escrituras”, disse Bryce A. Anderson, gerente. “Eles disseram coisas como: ‘antes eu apenas contava histórias de escrituras aos meus filhos e agora estamos conversando sobre a doutrina e princípios. Isso elevou a maneira como lemos e estudamos as escrituras.'”

Então, como será o novo currículo?

Todas as aulas da Igreja (Primária, Escola Dominical dos Jovens e Escola Dominical dos Adultos) estudarão as mesmas passagens das Escrituras todas as semanas.

“A Escola Dominical dos Jovens voltará a estudar as escrituras. Todas as classes estão alinhadas para que tenham o mesmo trecho de escrituras toda semana”, disse Mike Barber, um desenvolvedor de currículo. Todas as classes “estarão alinhadas com este recurso no lar”.

Em 2019, os membros estudarão o Novo Testamento. Em vez de dar a cada membro adulto um manual de estudo, todas as famílias receberão um guia de estudo no lar que contém as escrituras da semana que serão discutidas nas aulas de domingo.

O novo guia inclui atividades, perguntas e materiais de auxílio para indivíduos e famílias aprofundarem seu estudo do evangelho.

Cada semana incluirá algumas páginas de conteúdo que contêm a passagem de escrituras, um parágrafo de introdução, idéias e instruções para estudo, atividades e a noite familiar. Recursos adicionais, incluindo imagens, também estão inclusos.

“Nós tentamos fazer com que o currículo soasse menos como um manual. Acho que você verá que a escrita é um pouco diferente do que você encontra em um manual tradicional da Igreja”, disse Barber.

O novo manual estará disponível online após a conferência geral, e as unidades devem receber suas cópias em papel no fim do ano.

A Sociedade de Socorro, o Sacerdócio, os Rapazes e as Moças continuarão a seguir o padrão de abordagem doutrinária que foi estabelecido.

Embora o novo recurso propicie atividades para fazer em família, o estudo no lar é aplicável para indivíduos que moram sozinhos ou cujos membros da família não estão interessados ​​em estudar com eles.

“Temos jovens adultos solteiros, indivíduos que são casados ​​com um cônjuge de outra religião e jovens sem apoio em casa”, disse Chad Strang.

O feedback que eles receberam mostra que em todos esses casos, membros de todas as origens sentiram que foram fortalecidos no lar por meio do estudo e puderam então contribuir na experiência da sala de aula.

“As vezes é um pouco intimidador para um recém converso estar na frente de um professor que tem todas as respostas”, disse Strang. “E muitos professores fazem perguntas como ‘adivinhe o que está em minha mente?'”

A nova abordagem ajuda todos a estudar com os mesmos materiais, mas de maneiras diferentes, trazendo diferentes ideias para a sala de aula.

“Se você é um professor… seu estudo das escrituras começa no lar”, disse Barber.

Os professores ainda terão manuais, mas devem ser usados como uma referência adicional ao estudo no  lar.

“Esperamos que você adquira a doutrina e aprenda usando o manual do lar”, disse Barber. “Esperamos que você entesoure isso em seu coração antes de ir para o manual do professor.”

O novo currículo deve ser um guia para ajudar a fortalecer indivíduos e famílias em sua fé.

Não precisa ser essa coisa grandiosa,” disse Ted F. Barnes. “As vezes pode ser uma simples pergunta que nos faz pensar sobre o que estamos lendo. Não queremos que as pessoas levem o ensino da Igreja para o lar. Se isso acontecer, você estará perdendo as vantagens do ensino no lar. Aproveite do ambiente no lar que é único.”u

“O fato de que o Senhor está fazendo isso agora é uma indicação de que Ele não está desistindo das famílias e que há benefícios que vêm do ensino no lar”, disse Barnes, acrescentando: “Eu convido todos a seguir isso firmemente. Se você ensina na Primária e sabe que há crianças em sua classe que não têm apoio em casa, não desista delas ou de suas famílias porque não acho que Deus desista das pessoas. (…) Vamos fazer o que pudermos para apoiar a família e torná-la o que o Pai Celestial acredita que deve ser”.

Fonte: Church News

Relacionado:

Missionários receberão o chamado online a partir desse ano