Elder Dale G. Renlund do Quórum dos Doze Apóstolos e sua esposa, Ruth Lybbert Renlund, discursaram em um simpósio internacional de liberdade religiosa em Costa Rica, dia 9 de junho. Eles fizeram comentários de suas perspectivas como um apóstolo e doutor cardíaco e a experiência de Sister Renlund como uma advogada civil.
“Religião e liberdade religiosa não beneficiam somente o indivíduo, mas também a sociedade” disse Ruth Renlund. “Os benefícios para o indivíduo são claros através do exercício de seu arbítrio moral, que é a habilidade de escolher acreditar e agir de acordo com sua consciência. ”

Elder e Sister Renlund

Os anos de pesquisa médica de Elder Renlund foram devotados para as reações do corpo de uma pessoa que passou por um transplante de coração. Ele disse que medicamentos são usados para suprimir o sistema imunológico de não fazer o que o corpo é programado para fazer.

“Muitos de meus antigos pacientes me mandam cartões de agradecimento no aniversário de 25 anos de seus transplantes. Para esses pacientes, tolerância imunológica permitiu que eles aceitarem tecidos de outras pessoas como se fossem deles. ”

Continuando a comparação médica de seu marido com crenças religiosas, Sister Renlund disse que quando a resposta a um transplante é comparada com a resposta da sociedade em aceitar pessoas com diferentes crenças religiosas, “a história tem mostrado que a resposta natural das pessoas é condenar ao ostracismo e rejeitar aqueles a qual eles identificaram sendo diferentes. Essas interações negativas começam com grupos definindo eles mesmos como ‘nós’ e classificando os outros de fora de seu grupo como ‘eles’. ”

Código Moral

“Crenças, ensinamentos e práticas religiosas trazem os medicamentos necessário para a sociedade que de outra forma seria agressiva e enferma. ” Disse Elder Renlund. Ele também falou que religião provê três remédios. O primeiro é o conceito de uma autoridade maior que a si mesmo; o segundo, um código de conduta moral; o terceiro, a noção de que os aspectos do código moral podem mudar corações de indivíduos para que eles ajam de forma altruísta.

Sister Renlund disse que um código de conduta moral é um forte remédio para a sociedade hoje. “Uma sociedade verdadeiramente civilizada e funcional depende de um código de conduta que é baseado nos sistema de crenças que ensina que há algo maior que a si mesmo. ”

Independentemente da crença, muito pode ser aprendido do que Jesus Cristo ensinou enquanto estava na terra dois milênios atrás. Amor, compaixão e empatia são características de Seu ministério. Elder Renlund comentou:

“Ele não andou pelas estradas da Galileia e Judéia de modo desdenhoso, recuando daqueles que não seguiam Seus ensinamentos. Ele não se esquivava em horror. Não, Ele comia com eles. Ele os ajudava e abençoava, os erguia e edificava, e trocava seu medo e desespero por esperança e alegria. ”

A Regra de Ouro

A regra de ouro encontrada na Bíblia (faça aos outros o que gostariam que fizessem a você) não é exclusivamente um princípio Cristão. Princípios similares de códigos morais são compartilhados em escritos de Confúcio, Mohammed e tradições hinduístas e judaicas.

Sister Renlund citou o fundador de a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, Joseph Smith:

“Estou igualmente pronto para morrer em defesa dos direitos de um presbiteriano, um batista ou um bom homem de qualquer outra denominação; porque o mesmo princípio que destruiria os direitos dos santos dos últimos dias também destruiria os direitos dos católicos romanos ou de qualquer outra denominação que venha a ser impopular ou demasiadamente fraca para defender-se.”

Os Renlunds disseram que há muitas coisas que todos podem fazer para ajudar a sociedade a ser mais civil e altruísta.

  • Nós contribuímos para a tolerância da sociedade quando nosso discurso é civil e rejeita o discurso de ódio.
  • Nós contribuímos quando nós defendemos o direito de adoração de outros.
  • Nós contribuímos quando nós rejeitamos condenar religiões inteiras por causa das ações de alguns.
  • Nós contribuímos quando rejeitamos a xenofobia.
  • Nós contribuímos quando nós não julgamos outros baseado somente em suas características externas.

Experiência

Elder Renlund disse que ele sofria bullying como um adolescente na Europa na década de 1960 porque ele era americano e um membro de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

“Alguns de meus colegas de escola me tratavam como se minha religião fosse uma afronta às nações na qual eu morava porque ela era diferente da religião do estado. ”

“Por causa das experiências em primeira mão, eu acredito que a ridicularização, abuso, bullying, exclusão, isolamento, e ódio direcionado a outros é repugnante. ” Ele concluiu, “Isto não agrada ao Deus que eu amo e adoro. ”

Fonte: Mormonewsroom.org
(Visited 170 times, 1 visits today)