A voz angelical profetizou ao adolescente Joseph Smith “que [seu] nome seria considerado bom e mau entre todas as nações, tribos e línguas, ou que entre todos os povos se falaria bem e mal de [seu] nome” (Joseph Smith – História 1:33).

Joseph Smith se tornou o Profeta da Restauração – o instrumento pelo qual Deus trouxe de volta Seu Evangelho. A oposição que Joseph sofreu no processo de restaurar a verdade foi enorme. Joseph escreveu: “Quão estranho era que um obscuro menino (…) fosse considerado suficientemente importante para atrair (…) [a] mais implacável perseguição”  (Joseph Smith – História 1:23).

vida de Joseph Smith

(imagem via: byutv.org)

Aos 38 anos de idade, o Profeta foi assassinado por uma turba composta de 150 homens.

O Elder Neil L. Andersen comentou sobre as mentiras divulgados sobre o Profeta dizendo:

“Seria de estranhar o mal que é falado contra ele [Joseph Smith]? Do Apóstolo Paulo foi dito que era louco e delirava. Nosso Amado Salvador, o Filho de Deus, foi rotulado de comilão, beberrão e endemoniado. O Senhor disse a Joseph, quanto a seu destino:

“Os confins da Terra indagarão a respeito de teu nome e tolos zombarão de ti e o inferno se enfurecerá contra ti;

Enquanto os puros de coração e os prudentes (…) e os virtuosos procurarão (…) bênçãos sob tuas mãos constantemente”.

Por que o Senhor permite que o mal seja falado ao mesmo tempo que o bem? Um dos motivos é que a oposição às coisas de Deus leva os que procuram a verdade a orar por respostas.” (“Joseph Smith”, Conferência Geral outubro de 2014).

Separamos quatro fatos sobre a vida do Profeta que são mal interpretados e utilizados por críticos e opositores da Igreja, especialmente para descaracterizar o chamado divino do Profeta. Devido ao curto espaço reservado para o artigo recomenda-se visitar os livros e links alistados, para uma compreensão mais aprofundada.

1- Joseph Smith foi um Caçador de Tesouros

Verdadeiro! Depois da morte de seu irmão mais velho Alvin, Joseph Smith procurou meios de ajudar sua família pobre, e pro isso trabalhou por um curto período como “caçador de tesouro”.

“A família Smith enfrentou problemas financeiros. Joseph e seus irmãos trabalhavam como diaristas em qualquer serviço que encontrassem. A caça de tesouros, ou “cavar dinheiro” como era chamado na época, era uma obsessão nos Estados Unidos naquela época. Em outubro de 1825, Josiah Stowell, de South Bainbridge, Nova York, fazendeiro, proprietário de uma madeireira e diácono da igreja presbiteriana, procurou Joseph pedindo-lhe que o ajudasse num desses empreendimentos. Stowell tinha parentes em Palmyra e provavelmente ouviu falar de Joseph por meio deles. Stowell estava procurando uma lendária mina de prata perdida que se supunha ter sido aberta pelos espanhóis no norte da Pensilvânia. Stowell ficou sabendo que Joseph podia discernir coisas que eram invisíveis e quis sua ajuda naquele projeto. O Profeta relutou em aceitar o emprego, mas como Stowell insistisse e a família de Joseph estivesse passando necessidades, Joseph e seu pai, juntamente com outros vizinhos, concordaram em trabalhar para Stowell.” (História da Igreja na Plenitude dos Tempos, pg. 42)

A decisão de Joseph que teve grande importância na vida dele e no futuro da Igreja, pois por meio deste trabalho provisório, ele conheceu Emma Hale, que se tornaria sua esposa.

É importante acrescentar que Joseph não usou seus dons espirituais para localizar tesouros ou obter vantagens indevidas.

“Desde a época desses acontecimentos, os inimigos de Joseph usaram o que chamavam de seu trabalho como “cavador de dinheiro” para atacar seu caráter, questionar suas intenções e semear dúvidas sobre a igreja por ele organizada. A situação seria mais bem compreendida no contexto da época e local. Na Nova Inglaterra e no oeste de Nova York, essas atividades não eram consideradas indignas como passaram a ser mais tarde. Anos depois, Joseph inocentemente admitiu sua participação naquele empreendimento, mas salientou ter sido algo sem importância.” (História da Igreja na Plenitude dos Tempos, pg. 43)

Saiba mais em Joseph Smith – História 1:56 e Doutrina e Convênios Manual do Professor do Seminário, 2013comentários sobre JSH 1:56

 

2- Joseph Smith foi Maçom

Verdadeiro também. Joseph Smith e outross líderes da Igreja no século XIX foram iniciados na maçonaria.

“Desde outubro de 1841, alguns maçons que eram membros da Igreja haviam recebido permissão de iniciar uma loja em Nauvoo. Joseph Smith considerou haver vantagens em pertencer a essa ordem. Provavelmente imaginou que outros maçons do estado e do país, muitos dos quais ocupavam cargos importantes, teriam mais consideração para com a Igreja. Joseph Smith e muitos moradores de Nauvoo foram formalmente iniciados na ordem, em março de 1842.” (História da Igreja na Plenitude dos Tempos, pg 264).

Foi construída uma loja maçônica em Nauvoo, e muitos membros foram iniciados na ordem. Entretanto, especialmente por causa do apóstata John C. Bennett, os maçons começaram a nutrir sentimentos “anti-mormons”. Quando a Igreja partiu para o oeste – as relações entre a maçonaria se tornaram mais distantes.

É importante dizer que Joseph não precisou entrar na maçonaria para aprender doutrinas e ordenanças do Evangelho, como alguns supõem. O grande estudioso Hugh Nibley disse:

“Teria Joseph Smith reinventado o templo, reunindo novamente todos os fragmentos — judeus, ortodoxos, MAÇONS, agnósticos, hindus, egípcios, etc.? Não, não foi assim que aconteceu. Pouquíssimos fragmentos estavam disponíveis em sua época, e o trabalho de reuni-los, como vimos, só começou na segunda metade do século XIX. Mesmo que estivessem disponíveis, aqueles míseros fragmentos não poderiam ser reunidos para formar um todo. Até hoje, os estudiosos que os coletam não sabem o que fazer com eles. Não é o templo que deriva deles, mas sim, o contrário.” (“What Is a Temple”, The Collected Works of Hugh Nibley: Volume 4 — Mormonism and Early Christianity, ed. Todd M. Compton)

Além disso, há uma grande diferença entre as ordenanças do Templo da Igreja e os rituais da maçonaria. No templo, mulheres e homens participam em igualdade – a maçonaria original é só para homens. No templo o ensinamento é sobre o Plano de Salvação, na maçonaria, sobre preceitos corretos mas de ordem terrena. No Templo falamos de Cristo, na maçonaria não. No templo temos o sacerdócio, na maçonaria não.

Para saber mais leia o artigo “Qual a relação dos mórmons com a maçonaria?

 

3- Joseph Smith teve mais de uma esposa

Sim, ele teve. Assim como Abraão, Jacó, Moisés e tantos outros santos profetas da Bíblia. Joseph Smith recebeu uma revelação em 1831 – alguns meses depois da Igreja ter sido organizada – sobre o casamento celestial – e a possibilidade do Senhor exigir um casamento plural. Ele teve dificuldade de entender essa revelação e não desejou aplicá-la. De fato, demorou 10 anos para aplicá-la, até que um anjo lhe ordenou que o fizesse.

A lei do casamento celestial, conforme explicada nesta revelação, também incluía o princípio da pluralidade de esposas. Em 1831, enquanto Joseph Smith trabalhava na tradução inspirada das santas escrituras, ele perguntou ao Senhor como Ele justificava o princípio de casamento plural praticado pelos patriarcas do Velho Testamento. Essa pergunta resultou na revelação a respeito do casamento celestial, que incluía sua resposta a essa pergunta a respeito do casamento plural praticado pelos patriarcas.

Em primeiro lugar, o Senhor explicou que para qualquer convênio, incluindo o casamento, ser válido na eternidade, ele precisa atender três requisitos (ver D&C 132:7): (1) Ele precisa ser “[feito] e [selado] pelo Santo Espírito da promessa”. (2) Precisa ser realizado por alguém que possua a devida autoridade do sacerdócio. (3) Deve ser feito “por revelação e mandamento” por intermédio do profeta ungido pelo Senhor. (Ver também vv. 18–19.) Usando o exemplo de Abraão, o Senhor disse que ele “recebeu todas as coisas, tudo que recebeu, por revelação e mandamento, pela [Sua] palavra”. (V. 29) Consequentemente, o Senhor pergunta: “Estava Abraão, portanto, sob condenação? Na verdade te digo, não; pois Eu, o Senhor, o mandei”. (V. 35)
Além disso, Joseph Smith e a Igreja deveriam aceitar o princípio do casamento plural como parte da restauração de todas as coisas. (V. 45) Acostumados aos padrões convencionais do casamento, o Profeta mostrou-se compreensivelmente relutante a princípio em adotar essa nova prática. Devido à falta de documentação histórica, não temos conhecimento das primeiras tentativas que ele fez em Ohio para cumprir esse mandamento. Seu primeiro registro de casamento plural em Nauvoo foi com Louisa Beaman, realizado pelo Bispo Joseph B. Noble, em 5 de abril de 1841. Durante os três anos seguintes, Joseph casou-se com outras [esposas] de acordo com o mandamento do Senhor.” (História da Igreja na Plenitude dos Tempos, pg 256).

Eliza R. Snow, que era selada ao Profeta Joseph Smith, registrou detalhes do Profeta Joseph ensinando o princípio do casamento plural ao irmão dela, Lorenzo Snow. Ela notou a angústia e a dor que o princípio causou a Joseph Smith e que ele somente prosseguiu no estabelecimento do princípio por causa da revelação divina:

“O Profeta Joseph abriu seu coração [a Lorenzo Snow], e descreveu o calvário mental que ele sofreu para sobrepujar a repugnância de seus sentimentos, resultado natural da educação social e costumes que recebeu, quanto à introdução do casamento plural. Ele conhecia a voz e Deus — ele sabia que o mandamento do Todo-Poderoso era que ele prosseguisse — para dar o exemplo e estabelecer o casamento plural celestial. Ele sabia que não teria que sobrepujar e superar apenas seus próprios preconceitos e predisposições, mas aqueles de todo o mundo cristão que o olhariam no rosto; mas Deus, que está acima de tudo, deu um mandamento e ele deveria obedecê-Lo. No entanto, o profeta hesitou e adiou por certo tempo, até que um anjo de Deus se pôs diante dele com uma espada desembainhada e disse que, a menos que ele prosseguisse e estabelecesse o casamento plural, seu sacerdócio seria retirado e ele seria destruído! Ele prestou este testemunho não apenas a meu irmão, mas também a outras pessoas — um testemunho que não pode ser negado [contradito]” (Biography and Family Record of Lorenzo Snow, 1884, p. 69).

O assunto do casamento plural causa muita inquietação – e muito do que esta na internet não é verdadeiro, e esta fora de contexto. O casamento plural foi uma prática restrita na Igreja – e foi descontinuado por ordem divina em 6 de outubro de 1890. Recomendamos estas escrituras e artigos para melhor entendimento sobre o tema: Jacó 2-3Declaração Oficial 1, D&C 132, Casamento Plural em Kirtland e Navoou  e Casamento Plural – questões polêmicas

 

A melhor forma de saber se Joseph foi um profeta de Deus é estudar sua vida e orar a respeito. Os três fatos aqui mencionados não são suficientes para conhecer e comprovar a grandiosidade de seu ministério. A Igreja faz um enorme esforço para divulgar a História e obras de Joseph. Procure, portanto, nas fontes oficiais informações sobre o profeta, e verás como é nobre seu chamado!

Eu, como autor deste artigo, gostaria de acrescentar, neste derradeiro parágrafo, meu testemunho do chamado divino do Profeta Joseph Smith: sei que Ele foi um profeta de Deus. Humilde, fiel e obediente. Grande profeta!

(Visited 1.777 times, 1 visits today)