Quando João Batista, como um ser ressurreto, apareceu em nossa dispensação, e restaurou o Sacerdócio Aarônio, concedeu as chaves do ministério de anjos.

Joseph Smith e Oliver Cowdey haviam aprendido, nas placas de ouro (cuja tradução parcial se tornaria o Livro de Mórmon), que precisam ser batizados. Eles sabiam que nenhuma Igreja de sua época, ou ministro, possuía a verdadeira autoridade de Deus, e por isso decidiram orar ao Senhor.

No dia 15 de maio de 1829, Joseph e Oliver oraram com fervor às margens do rio Susquehanna no Distrito de Harmony, Pensilvânia. Em resposta um mensageiro celestial lhes apareceu, conferiu o sacerdócio e ordenou que os jovens profetas se batizassem.

“O mensageiro que nos visitou nessa ocasião e conferiu-nos esse sacerdócio disse que seu nome era João, o mesmo que é chamado João Batista no Novo Testamento”, contou Joseph Smith (JS-História 1:72)

O que seriam as chaves do ministério de anjos?

As palavras da ordenança foram registradas em D&C 13, onde João Batista proclama sobre a cabeça de Joseph e Oliver:

“A vós, meus conservos, em nome do Messias, eu confiro o Sacerdócio de Aarão, que possui as chaves do ministério de anjos e do evangelho do arrependimento e do batismo por imersão para remissão dos pecados; e este nunca mais será tirado da Terra, até que os filhos de Levi tornem a fazer, em retidão, uma oferta ao Senhor.”

Quando eu era um rapaz, portador do sacerdócio aaronico me perguntei bastante o que seriam estas chaves do ministério de anjos. Eu entendia razoavelmente bem o que significavam as chaves do evangelho do arrependimento e do batismo por imersão para remissão dos pecados, mas não sobre anjos. Pensava que eu tinha direito de pedir que um anjo aparecesse. De fato, isso é parte – mas não a plenitude do significado.

Chaves do sacerdócio, podem se referir ao poder de presidir e decidir assuntos do Reino de Deus – e também direitos e privilégios inerentes ao sacerdócio. A escritura de C&C 13 esta mais para o segundo significado.

Citações de profetas sobre o Ministério de Anjos

Declarações de profetas e apóstolos ajudaram-me a entender melhor o que significam as chaves do ministério de anjos – e fizeram mais que isso: encheram-me de gratidão pela restauração do sacerdócio Aarônico- e pela confiança que o Senhor demonstrara em conceder-me tal honra.

O Presidente Gordon B. Hinckley, que foi o 15º Presidente da Igreja, explicou aos rapazes da Igreja o que significam as chaves do ministério de anjos:

“Isto quer dizer, em minha opinião, que, se viverem dignos do sacerdócio que portarem, terão o direito de receber e gozar o poder de seres celestiais para orientar, proteger e abençoá-los”. (A Liahona, janeiro de 1983, p. 78.)

É importante salientar que o ministério de anjos não acontece apenas com uma aparição extraordinário – onde um personagem banhado de luz dá uma mensagem marcante. Esse ministério pode “pode ser invisível. Podemos receber as mensagens de anjos por meio de uma voz ou, simplesmente de pensamentos e sentimentos transmitidos à nossa mente. (…) Na maioria das vezes sentimos ou escutamos as mensagens dos anjos em vez de vê-los”. (A Liahona, janeiro de 1999, p. 45.)

O Élder Dallin H. Oaks, do Quórum dos Doze, acrescentou uma explicação muito relevante, que relaciona o sacramento com o ministério de anjos:

“De que forma o Sacerdócio Aarônico tem a chave da ministração de anjos? A resposta é: do mesmo modo que tem o Espírito do Senhor. Geralmente, as bênçãos da companhia e das mensagens espirituais só estão ao alcance das pessoas puras.

Conforme expliquei antes, por intermédio das ordenanças do batismo e do sacramento, que pertencem ao Sacerdócio Aarônico, somos purificados de nossos pecados e recebemos a promessa de termos sempre conosco o Seu Espírito, se nos mantivermos fiéis aos nossos convênios. Creio que essa promessa não se refere somente ao Espírito Santo, mas também ao ministério de anjos, porque “os anjos falam pelo poder do Espírito Santo; falam, portanto, as palavras de Cristo”. (2 Néfi 32:3)

Sendo assim, os portadores do Sacerdócio Aarônico possibilitam a todos os membros fiéis da Igreja que tomam o sacramento dignamente ter a companhia do Espírito do Senhor e a ministração de anjos.” (A Liahona, janeiro de 1999, p. 45.)

Conclusão

Assim, graças ao Sacerdócio Aarônico podemos nos alegrar que não cessaram os milagres. Sem “tampouco os anjos cessaram de ministrar entre os filhos dos homens” (Morôni 7:29).

Para finalizar, além de (1) terem direito de receber a instrução de anjos, e (2) de possuírem o poder de abrir as portas da ministração angelical a todos os membros que partilham dignamente do sacramento, os portadores do sacerdócio aarônico (3) são, eles mesmos, como anjos de Deus – ministros que levam as boas-novas de salvação (Alma 27:4). É por meio do Sacerdócio Aarônico que as chaves da pregação do Evangelho são exercidas. Os sacerdotes tem o direito e dever de pregar o evangelho, tal como João Batista, convidando todos a se arrependerem. Estes ministros já foram muitas vezes, nas escrituras, chamados de anjos, por proclamarem salvação (D&C 20:46-49, 60, 68 e 42:6).

(Visited 1.066 times, 1 visits today)