“Ridículo.” “Nojento.” “desprezível.” Estas são apenas algumas palavras que os primeiros críticos do Livro de Mórmon usaram para descrever este texto sagrado. Enquanto alguns criticam a autenticidade do Livro de Mórmon, a sofisticação dessas sagradas escrituras mostra sua complexidade.

Das genealogias ao hebraísmo literário, descubra por que alguns críticos mudaram o tom sobre Joseph Smith e a autenticidade do Livro de Mórmon.

 

 

A autenticidade do Livro de Mórmon

A evidência fundamental da autenticidade ou veracidade do Livro de Mórmon vem de Deus. Conforme é prometido no Livro de Mórmon, qualquer pessoa pode saber acerca de sua veracidade lendo-o e perguntando a Deus com um coração sincero e com real intenção para saber se é verdadeiro (ver Morôni 10:3–5). “Com real intenção” significa que aqueles que pedem devem ter o desejo ou o compromisso de agir em relação à manifestação assim que ela for recebida. Do contrário, não há promessa alguma. O Espírito Santo confirma a verdade por revelação diretamente à pessoa. Todas as outras evidências da autenticidade do Livro de Mórmon têm importância secundária. Milhões de pessoas já testificaram ter recebido um testemunho pessoal de Deus pelo poder do Espírito Santo de que o Livro de Mórmon é verdadeiro.

Informações Adicionais

O Livro de Mórmon é outro testamento de Jesus Cristo. Foi escrito e preservado pelos autores originais para convencer o futuro leitor de que Jesus é o Cristo e persuadi-lo a vir a Cristo e ser salvo.

Em vários versículos de Doutrina e Convênios o Senhor refere-se ao povo e aos profetas do Livro de Mórmon.

Joseph Smith traduziu o Livro de Mórmon (mais de 500 páginas) pelo dom e poder de Deus em cerca de 60 dias. Durante o processo de tradução, Joseph ditava uma linha por vez, mas não fazia pausas para revisar sentenças ou páginas anteriores. Não há indício de que ele tivesse quaisquer anotações, manuscritos ou documentos para auxiliá-lo durante a tradução. Também não há indício de que Joseph Smith tenha feito qualquer pesquisa ou leitura substancial antes de ter publicado o Livro de Mórmon. O livro resultante, com seu complexo relato de pessoas, comunidades e nações, ensinamentos religiosos e material de origem é internamente consistente e é uma prova, por si mesmo, de que Joseph Smith não o escreveu.

Autenticidade da obra de Joseph Smith

A realidade de que Joseph Smith de fato esteve de posse das placas de ouro durante um tempo no final da década de 1820 foi estabelecido por onze testemunhas que viram as placas e as tocaram.

Desde a época em que o Livro de Mórmon foi inicialmente publicado até o presente, os críticos têm atacado sua autenticidade de muitas formas. Todas as tentativas de encontrar uma explicação diferente para o surgimento do Livro de Mórmon além da que é dada pelo próprio livro fracassaram. Não há provas para desacreditar o testemunho do Profeta Joseph Smith. A Igreja continua a crescer e pessoas de todas as nações continuam a receber o conhecimento da veracidade do Livro de Mórmon pelo poder do Espírito Santo.

(Ver também a Página de Rosto do Livro de Mórmon; Introdução ao Livro de Mórmon; Depoimento de Três Testemunhas; Depoimento de Oito Testemunhas; Testemunho do Profeta Joseph Smith.)

Fonte: LDS.org e LDSLiving.com.

Relacionado:

Incrível nova descoberta arqueológica corrobora o Livro de Mórmon