Eu notei uma coisa muito louca em uma publicação no blog publicada há pouco tempo.

Na postagem do blog, mencionei que sentia como se houvesse uma “revolução do amor” que estava ocorrendo dentro da Igreja. Minha observação foi que as pessoas na Igreja estão começando a aceitar mais e julgar menos aqueles que não se encaixam no “molde mórmon”. Minha afirmação era que isso seria bom para a Igreja a longo prazo e na maior parte, as pessoas concordaram. A rede do evangelho é grande, e queremos pessoas em toda sua variedade. Mas, então, surgiu um pequeno grupo de membros que expressou sua irritação e frustração com o fato de acharem (pelo menos em suas mentes) que são os “juízes”.

Algumas pessoas publicaram comentários dizendo que era seu “direito” julgar e até mesmo sua responsabilidade julgar. Parecia que alguns queriam ter o direito de chamar a atenção das pessoas quando percebem que os outros não estão à altura da sua própria expectativa, com relação ao que significa ser um membro de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Isso é engraçado. Todo mundo tem uma compreensão diferente do que significa ser um Santo dos Últimos Dias ou um “Mórmon”. E algumas pessoas parecem que não podem deixar de impor sua “versão” do Mormonismo sobre outros.

Outros disseram que era uma de suas “fraquezas” ter uma propensão para julgar e que não precisavam ser julgadas por essa fraqueza. O que eu vi acontecer foi incompreensível. Os auto-conclamados juízes, não queriam ser julgados por julgar os outros. Isso faz sentido? Elaborar postagens de blog, comentários no Facebook e outros meios de comunicação foram usados para minimizar e desviar o dano severo que alguém pode causar a outros membros da Igreja por causa de seu incessante julgamento e crítica. Isso pode acontecer sem sequer dizer uma palavra. Nossa linguagem corporal pode fornecer um sermão sobre como nos sentimos sobre outra pessoa, sem mesmo dizer uma palavra.

Havia ainda outro grupo de pessoas que misturaram a diferença entre julgar por você mesmo e julgar os outros. É claro que julgar entre o certo e o errado é importante. É claro que devemos fazer isso diariamente, minuto a minuto. Mas isso não significa que temos a habilidade ou o direito de julgar e rotular outros, especialmente quando não temos todo o conhecimento a respeito da outra pessoa.

Aqueles na Igreja que encontram alegria em “lançar pedras”, eu sinto, estão na minoria, mas seu impacto é sentido por muitos. Como as bolas de demolição de demolições gigantes, eles estão esmagando todos os que seguem seu caminho e tornando o comparecimento da Igreja algo insuportável para muitas pessoas.

Por que é tão difícil ser legal?

Por que é  tão difícil para as pessoas serem legais umas com as outras? Por que somente algumas pessoas compreendem a mensagem do Sermão da Montanha? O que não está claro sobre o pedido do Salvador de “Não julgueis, para que não sejais julgados. Porque com o juízo com que julgardes sereis julgados” (Mateus 7:1-2) O que é que impede as pessoas de ver o bem nos outros? Por que não podemos manter nossos pensamentos se eles não estão destinados a levantar e abençoar outros? Por que tantas pessoas têm tanto prazer em tentar corrigir falhas de outros antes de corrigir suas próprias falhas?

É impossível entender mal a intenção do Salvador sobre o que ele disse sobre julgar. Julgar os outros não é nada bom. Na verdade, a maneira como você julga os outros será a maneira como você será julgado no futuro. Ao ler as escrituras, não posso chegar a outra conclusão diferente de que Cristo detestava algumas coisas: o julgamento, a auto-justificativa, os fofoqueiros, os hipócritas. Ele simplesmente nos ensina em muitas passagens da Bíblia sobre essas coisas. Especialmente do capítulo 23 de Mateus.

Tanto a minha esposa quanto eu temos amigos diferentes que deixaram de ir à Igreja no período da juventude. Uma dessas pessoas voltou para a Igreja. O outro ainda tem dificuldade em voltar. Mas ambos acreditam com todo seu coração que a Igreja é verdadeira. Não era doutrina. Não foi história. Era uma falta de sentimento de ser desejado e de ser incluído.

ajudar

As feridas da alma podem demorar para curar

Há apenas algumas semanas, presenciei um homem criticar publicamente algumas irmãs na classe que ele achava que não eram doutrinariamente precisas. Mas, enquanto escutava silenciosamente a troca unidirecional, tanto quanto eu podia dizer, ele era aquele que era doutrinariamente errado, enquanto essas irmãs pareciam estar em harmonia com os ensinamentos dos profetas modernos. Independentemente de quem estava certo ou errado, ninguém gosta de ficar envergonhado na frente dos outros… As coisas que você diz, as pessoas se lembram e talvez nunca mais consigam esquecer. As feridas da alma, infelizmente, pode durar para sempre.

Eu sei que algumas pessoas vão ler esses dois últimos parágrafos e dizer: “Bem, essas pessoas simplesmente se ofendem com muita facilidade”. Mas eu estou cansado de ouvir essa desculpa por pessoas, a fim de lhes dar um direito perpétuo de ser ofensivo a qualquer momento que eles querem. Todos acabarão se ofendendo, independentemente de quão grossa seja a pele delas. É uma reação humana a ser degradada e ameaçada, e o resultado é uma resposta “luta ou fuga”, nenhuma das quais é boa para a Igreja ou o indivíduo.

Por favor, não me interprete mal. Não estou dizendo que esta é a norma. O que estou dizendo é que, quando isso acontecer, pode alterar vidas e eternidades.

Os dois tipos de “juízes”

Os juízes geralmente se manifestam de duas maneiras. O alto e o barulhento não tem nenhum problema em chamar os outros para a frente das outras pessoas. Eles podem dar uma observação mordaz ou sarcástica que faz eco no salão cultural ou que eles podem chamar a atenção durante uma aula da escola dominical. Segundo eles, eles estão apenas “dizendo como é”. Eles estão apenas “falando a verdade”, pois deixam um despertar de destruição em todos os lugares que eles vão. Lembro-me quando um sujeito da minha estaca me julgou em público só porque eu estava com a barba sem fazer há alguns dias. Eu o olhei por um momento e pensei que era uma piada. “Você está brincando?” eu disse para mim mesmo. Ele não estava brincando.

No outro extremo do espectro, temos o método muito mais sutil de julgar. Essa forma de julgamento é feita com sussurros e alfinetadas e geralmente, passa pelo nome formal de fofocas. Geralmente é realizado por pessoas que são totalmente inseguras em sua própria pele e não podem encontrar outro alívio. Porém despendem seu tempo, colocando outros para baixo e fazendo com que eles pareçam mal. Você já foi alvo de fofoqueiros? Você já teve que ir a uma reunião ou a um evento em que você sabia que havia pessoas naquele evento que haviam ficado “fofocando” de você? Não é divertido. Mas parece estar em todos os lugares.

Você já se perguntou por que Alma desistiu de sua cadeira de juiz e entrou no ministério em tempo integral? Foi porque os membros da Igreja não conseguiram descobrir como ser gentis um com o outro. Alma desistiu de sua cadeira de juiz por um dos principais motivos:

“Porque viram e observaram com grande tristeza que o povo da igreja começava a engrandecer-se no orgulho de seus olhos e a voltar o coração para as riquezas e para as coisas vãs do mundo; que eles começavam a desdenhar uns dos outros e a perseguir os que não acreditavam segundo sua própria vontade e prazer.” (Alma 4:8)

Os agitadores de pote

“Muitas vezes me pergunto por que alguns sentem que devem ser críticos com relação aos outros”, disse Elder Wirthlin. “O sentimento de julgamento fica em seu sangue, eu suponho, e torna-se tão natural que muitas vezes nem pensam nisso. Eles parecem criticar a todos: como a Irmã Jones rege o hino, da maneira como o irmão Smith ensina uma lição ou planta seu jardim. Mesmo quando pensamos que não estamos prejudicando ninguém com nossas observações críticas, muitas vezes estamos e há muitas as consequências. Lembro-me de um menino que entregou um envelope de doação ao bispo e disse-lhe que era para ele. O bispo, usando isso como um momento de ensino, explicou ao menino que ele deveria marcar no escopo de doação, o que ele estava doando: se era dízimos, ofertas de jejum ou para outra coisa. O menino insistiu que o dinheiro era para o próprio bispo. Quando o bispo perguntou o porquê, o menino respondeu: “Porque meu pai diz que você é um dos bispos mais pobres que já tivemos”.

Um antigo artigo da Igreja divulgou que “alguns membros se preocupam com vozes externas que tentam destruir ou desacreditar a Igreja. No entanto, nossa maior preocupação provavelmente está com os “lobos” que, vestindo peles de carneiro, se misturam com o rebanho. “Devorar vorazmente” é uma descrição adequada do que eles fazem: procuram com fome por uma presa. O dano que eles fazem, não ao corpo da Igreja, mas às almas individuais, é imenso. Outros lobos com peles de carneiro talvez também estejam entre nós. Eles dividem e dispersam o rebanho, por assim dizer, com influências tão negativas quanto a discórdia e as fofocas. Eles se alimentam da rebarba da disputa” .

Este material é destrutivo! Massivamente destrutivo. É por isso que eu realmente acredito que o futuro da Igreja depende completamente da bondade e da misericórdia de seus membros. As pessoas querem se sentir seguras na Igreja. Eles querem um refúgio da tempestade. Joseph Smith disse uma vez: “Quanto mais nos  achegarmos ao nosso Pai Celestial, mais estaremos dispostos a olhar com compaixão pelas almas que perecem. Nós sentimos que queremos levá-los sobre nossos ombros e lançar seus pecados atrás de nossas costas. Não julgue-os ou condene-os”.

Se Deus olha para o coração então também devemos fazer o mesmo. Se Deus é misericordioso conosco então devemos nos esforçar para ser misericordiosos com os outros, independentemente de quão diferentes eles sejam de nós. Nossa preocupação não é entre Deus e os outros. Nossa preocupação é entre Deus e nós mesmos, e Deus irá analisar como tratamos os outros como um meio de medir o quanto professamos amá-Lo.

Esse artigo foi traduzido do inglês: GregTrimble.com

(Visited 474 times, 1 visits today)