A cidade de Gilbert, Arizona, está rapidamente se tornando sinônimo de produzir talentos mórmons.

No mês passado, Ashley Hatch, criada em Gilbert, foi nomeada recruta da Liga Nacional de Futebol Feminino de 2017, depois de marcar sete gols em sua primeira temporada profissional com a North Carolina Courage.

Enquanto isso, a violinista Lindsey Stirling, acabou de avançar para as finais de “Dança das Estrelas” – acrescentando outro ponto para a renomada carreira artística da missionária retornada.

E em algumas semanas, outra membro da Igreja de Gilbert, EUA estará preparada para competir novamente entre os melhores do seu esporte.

Ginasta Mórmon

MyKayla Skinner, uma ginasta da Universidade de Utah é membro da Igreja por todas a sua vida, começa sua temporada de segundo ano com a Universidade de Utah em janeiro. Ela precisava apenas de um ano para se tornar uma dos principais artistas de todos os tempos no programa ada escola Red Rock.

Ainda assim, a ginasta internacional veterana disse que ela precisava da primeira temporada em Utah para trabalhar nas responsabilidades e nuances da ginástica na faculdade. Agora, ela está pronta para a campanha de 2018 que se aproxima rapidamente.

“Estou pronta para ir”, disse ela. “Estou ansiosa para ver onde esta temporada leva nossa equipe”.

Apesar da mudança de primeiro ano entre a elite e a competição universitária, Skinner, de 20 anos, desfrutou de um histórico primeiro ano. Ela reivindicou o título do exercício do piso da NCAA, terminou em segundo lugar na competição nacional de todos os lados e ganhou o campeonato Pac-12 em três eventos diferentes (todo-o-chão, piso e abóbada).

Ela também foi nomeada MVP da equipe em um time da Universidade que terminou em quinto lugar na competição 2017 da equipe da NCAA.

O sucesso de Skinner em Utah não surpreendeu os fãs de ginástica. Ela chegou no campus no ano passado com um pedigree impressionante como membro de quatro anos da equipe nacional sênior dos EUA e como suplente da equipe olímpica da medalha de ouro dos EUA de 2016.

Trabalho Árduo

Ela admite que competir no nível mais alto da ginástica às vezes foi difícil durante a adolescência. Ela trabalhou arduamente e sacrificou muito para realizar seus objetivos atléticos e espirituais.

“Foi um grande desafio quando cresci”, disse ela. “Lembro que as noites de quarta-feira foram minhas noites mais difíceis na academia, então eu nem sempre consegui chegar a Organização das Moças. E eu nunca estive no acampamento das moças”.

Viajar para reuniões de ginástica muitas vezes significava que ela estava longe de sua casa, sua família e seus amigos. E ela geralmente era a única Mórmon em suas competições. Mas ela encontrou força e segurança através da oração diária e das bênçãos do sacerdócio.

“Eu sabia que estava fazendo o que eu deveria estar fazendo”, disse ela.

Ela ia Igreja sempre que possível ” e sempre mantive minhas escrituras comigo sempre que estava em viagens longas. Eu sempre tinha as próprias pequenas lições.”

Ela também descobriu que gostava de compartilhar suas crenças com seus colegas ginastas e treinadores.

“A ginástica ajudou-me a ficar longe de algumas das más distrações e manter o foco nas coisas boas”, disse ela.

Ambiente SUD

Participar da Universidade de Utah foi uma decisão fácil, disse Skinner. A universidade provou ser um ajuste atlético, acadêmico e espiritual ideal.

Claro a ginasta ficou atraída pelo respeitado programa de ginástica de Utah.

“Mas eu também queria estar na Igreja. Eu queria ir ao instituto e queria ter o templo próximo”, disse ela.

As exigências da ginástica de classe mundial ofereceram outro benefício que Skinner mais tarde apreciaria: todo o seu tempo foi dedicado ao trabalho escolar, treinamento, seu crescimento espiritual pessoal – e muito sono.

Ela também gosta de ter um par de companheiros mórmons – Makenna Merrell-Giles e Kim Tessen – na equipe do Red Rocks.

A ginasta disse que suas habilidades de ginástica ainda estão melhorando. Ela espera ser uma atleta mais forte em 2018. E ela está confiante de que a próxima temporada será memorável para os Utah Utes.

“Eu sempre participo de competições pela equipe primeiro”, disse ela. “Quaisquer resultados [individuais] que se seguem são apenas recompensas agregadas”.

Fonte: Deseret News

Saiba mais:

Campeão Mundial de Obstáculos Mórmon Vence Apesar de Doença Crônica

(Visited 533 times, 1 visits today)